http://odeiopedrasnogiz.blogspot.com

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Mais um ritual para o fim de ano...

Mais um ritual para o fim de ano...

Fim de ano é bom para dar uma ajeitada na vida e em nossas coisas. Iniciei a primeira semana de férias arrumando armários, mexendo na burocracia pessoal, para que eu possa encontrar tudo quando for preciso; reorganizei material didático, colocando nas pastinhas para que eles se conservem por mais tempo... Ainda falta organizar as roupas, livros, CDs...

Hoje resolvi fazer algo diferente: escolhi algumas das fotos feitas neste ano para reproduzi-las no papel. Que difícil escolher qual foto para levar ao laboratório no pen-drive. Há tempo que sou viciada em fotos. Talvez, pelo iludido sentimento de agarrar alguns momentos da vida para sempre. Lembro que quase todo o meu salário ia em filmes e revelações. Sim, antes acabávamos reproduzindo o filme todo. Algumas pessoas preferiam primeiro revelar o filme, para só depois escolher qual fazer. E amo lembrar a sensação de ver o resultado estampado no papel fotográfico brilhante. Assim como lembro com saudades das horas que passava no laboratório fotográfico, na época da facul de Jornalismo. Parece que vejo as bandejas na minha frente, com o revelador, fixador... A água correndo para tirar os químicos... Nossa! E o ampliador, que mostrava no papel como ficaria a foto. Então, focávamos e calculávamos o tempo com a luz acesa sem o filtro. Hoje em dia, o problema que tínhamos, quando deixávamos a foto ou sem contraste ou com muito brilho, podemos resolver em qualquer programa de edição de imagens. Até o cheiro daquela salinha escura parece vir ao meu nariz, quando tiro estas lembranças das gavetinhas da minha memória.

Se eu soubesse antes, pediria para a moça do laboratório fazer as minhas fotos sempre em papel fosco, porque conserva por mais tempo. Agora escolhemos, entre uma infinidade, qual registrar no papel. Amanhã pegarei as fotos. Escolhi, exatamente falando, 275, entre as que repeti para presentear. Gostaria de sentir o mesmo prazer que era o suspense de ver como elas tinham ficado. Rever os rostos, lugares... Mesmo assim, não vejo a hora de tocar, nos papéis foscos, alguns dos grandes momentos desse ano: aniversários da família, reencontros, passeios, formatura de alunos, férias de inverno na praia, ida à feira do livro em Curitiba, comemoração das eleições, meu namorado que virou um ex-cabeludo, jogo do Botafogo que, para variar, empatou e alguns momentos da escola e do NEC, como as entrevistas para o Jornal do São Viça, teatros e Dia da Leitura...

Incluirei nos meus rituais de fim de ano esta escolha: a busca dos melhores momentos registrados na digital. E esta é uma boa sugestão que, saudosamente, faz uma reflexão do ano...

Desejo que todos tenham um feliz Natal e 2011 cheio de lindos momentos para serem fotografados...

Rubia Cristina dos Santos (Itajaí, 23 de dezembro de 2010)










domingo, 28 de novembro de 2010

Jornal do São Viça: 2ª edição



Finalmente, saiu a 2ª edição do "Jornal do São Viça". É uma produção que realizo com meus alunos maiores (de 13 e 14 anos) no NEC Dilzelena Márcia Teixeira.
Por enquanto, há poucas impressões. Para que cada aluno do NEC possa levar o seu para casa, pois poucos têm internet em casa, vamos ter que correr atrás de patrocinadores... coisas da vida...
Espero que curtam e aceitamos sugestões...
abraço

Jornal do São Viça: editorial, expediente, enquete e desenho

sábado, 6 de novembro de 2010

Alunos embarcam nas aventuras da escritora de “Vidas Separadas pelo Mar”

Foi uma delícia a conversa da escritora e jornalista Sheila Ana Calgaro, no dia 4 de novembro, na Escola Mansueto Trés e NEC Dilzelena Márcia Teixeira.

Ela conversou com cerca de cem alunos sobre seu livro “Vidas Separadas pelo Mar”: obra que foi lida pelas três turmas, durante as aulas de leitura em Língua Portuguesa.

Inicialmente, Sheila falou um pouco sobre o livro que foi resultado de seu projeto de conclusão no curso de Jornalismo, em 2007 e que foi lançado em 2008.

Os adolescentes puderam embarcar no pesqueiro Monkfish, enquanto ela contava sua experiência em alto-mar com a tripulação de dez homens.

Após algumas das curiosidades dos alunos foram sanadas como: se ao embarcar, ela também sentiu sua vida separada pelo mar, qual a melhor história que ela ouviu, se houve preconceito de uma mulher embarcar junto, o que ela comeu, o que mais sentiu falta, quem é Maria do Cais, se ela sempre quis ser jornalista e escritora e se já há alguma ideia em mente para outro livro.

Na próxima semana, a escritora estará embarcando para Açores para fazer o lançamento do “Vidas Separadas pelo Mar”, num lugar em que a pesca também é tão forte, mas bem diferente.


Rodrigo foi sorteado e ganhou o livro

assim como a Joice (e a metade do Carlos... rsss)

o Ariel

e o Marcos

Com as turmas no Mansueto

turma da 702

turma da 702

Conversa de escritora no Mansueto

com a 702

com a 701

No NEC

No NEC, o Vilson foi o felizardo

galerinha toda com a Sheila

um bate-papo com a meninada

Sabrina entrega o Jornal do São Viça à escritora

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Feliz Dia das Crianças...

Desejo que todas as crianças continuem sendo crianças, mesmo que todo o meio insista em torná-las adultos pequenos.
Brinquem, subam em árvores, corram bastante, voem, pulem, briguem, mas continuem fazendo as pazes...
Livrem-se dos computadores, tirem o salto alto que a mamãe insiste em enfiar nos seus pés, fiquem descalças, pisem na grama...
Ouçam os mais velhos, mesmo que seja chato, respeitem-nos...
Leiam gibis, contos de fada, peçam para seus avós e pais contarem historinhas para vocês...
Desejo que todos adultos se lembrem de que já foram crianças e que, certamente, existe ainda uma dentro deles. Mas peço que vocês olhem melhor suas crianças, saibam dizer não, deem limite, eduquem... Entretanto, saibam abraçá-las, dizerem que as amam, deixem o jogo e a novela um pouqinho de lado e vão dar uma olhada em seus cadernos, escutem-nas, observem ao que elas têm assistido, quais músicas têm ouvido, motivem-nas a serem pessoas de bem. Não apenas digam para elas serem do bem, sejam do bem, deem bons exemplos... tenham boas atitudes...
Feliz Dia das Crianças para todos nós...

sábado, 18 de setembro de 2010

Palestra sobre direitos e deveres

O conselheiro tutuelar e educador, Guido Rezende, esteve no NEC Dilzelena para conversar com os alunos sobre direitos e deveres das crianças e adolescentes. Foi falado, principalmente, sobre o respeito que deve haver na escola e com seus pais.
Guido comentou também sobre a importância de se tomar banho todos os dias antes de vir à escola, e que ela é um lugar de respeito, por isso não é bom usar o boné. "Alguém vai pra igreja de boné? Então como é que entra na sala com ele?". Inclusive que as meninas e meninos devem estudar com roupas adequadas, principalmente, de uniformes. Alertando os jovens, também, sobre o que colocam na internet, principalmente, no orkut. "O lugar em que mais se acontece a pedofilia é na própria casa da criança e adolescente, mas a internet é uma grande ferramenta também usada pelos pedófilos".
Comentou que a droga mais consumida é o álcool. Também, sobre a importância de não ficarem andando até tarde pelas ruas sem a companhia de algum adulto e sobre o mal que fazem as drogas.


com toda a galerinha
Jonathan faz a entrega da primeira edição do Jornal do São Viça
uma conversa sobre respeito

Palestra sobre aviação no NEC

Nesta última sexta-feira (17 de setembro), levei meu pai, acompanhado por minha mãe, ao NEC, para que a meninada conhecesse um pouco suas histórias sobre paraquedismo e aviação.
O menino de Rio dos Cedros que sempre quis ser piloto de avião, Antônio Carlos dos Santos, hoje está com 60 anos. Entrou na aviação e paraquedismo no fim da década 60, em Blumenau. Lá foi um dos fundadores do Clube de paraquedismo Ícaros do Vale.
Na oportunidade, os grupos do São Viça e Itajaí tiveram a oportunidade de conhecer um pouco sobre suas aventuras. Com os movimentos de suas mãos que pareciam voar pela sala, Santo mostrou algumas das manobras de aviação, falou como funciona um paraquedas, como saltar e como eram as duas modalidades antigamente. Ficaram sabendo que aqui mesmo em Itajaí havia um aeroporto, onde hoje é a Celesc.
Santos levou alguns de seus objetos pessoais: um paraquedas TU-5, um bem redondo de 30 quilos, que conseguiam do exército em troca de caixas de camarão; algumas fotos, como a de seu banho de óleo, primeiro salto; macacões de alguns campeonatos que participou e um capacete.
Falou também sobre alguns acidentes. Inclusive, o que ocorreu com o seu grande amigo Probst, com um avião que foi feito por eles, de um motor de fuscão.
Mas foram feitas perguntas também sobre o tempo de queda de um paraquedas: leva meia hora para dobrar, meia hora para subir com o avião e um minuto e meio de queda; se os paraquedistas eram cobiçados pelas mulheres naquela época: sim, até foi confirmado por minha mãe (Rachel), com risos; e qual o momento que mais o marcou: a primeira vez que sua mãe foi ver um salto, mas que ele acabou quebrando a perna.
Atualmente, Santos (estranho não falar "meu pai") está na área de engenharia civil, o que faz desde quando tinha 17 anos. Faz alguns anos que não pilota mais, pois os exames de saúde têm que ser renovados. E seu último salto foi em 74, quando quebrou uma perna: fato não raro de acontecer, basta saber que a pancada que era levada com os TU-5 eram como se a pessoa estivesse se jogado de um prédio de quatro andares, eles comenta.
Bem, creio que tenha sido um momento marcante não só para a criançada que acabou voando junto, mas principamente para meu pai e para mim.

pose com paraquedas e capacete
todos juntos

respondendo às perguntas de Vítor

mostrando as fotos

mãos voadoras

Radionovela ecológica

Tudo o que vai volta: radionovela experimental do grupo Itajaí e São Viça do NEC Dilzelena Márcia Teixeira.
Produção, direção e texto: Rubia Cristina dos Santos.
Apresentação: Sabrina do Nascimento.
Narração: Grace Kelly Rocha.
Personagens e intérpretes: Ariadene Martins, Bryan Machado, Caio Helzen, Camilli Link, Caroline Neiva, Eduarda de Lima, Franciele Sedrez, Francisco Montalto, Gabriela da Veiga, Guilherme Moraes, Izabela Shwartz, Matheus Siqueira, Nilton Furtado e Vítor dos Santos.
Músicas: Mc. Créu, Seu Jorge, Palavra Cantada, Carlos Córea e Parangolé.
Música de Abertura: Chico Science e Nação Zumbi. video

domingo, 5 de setembro de 2010

Viva a arte brasileira!

Em comemoração à Semana da Pátria, realizei nesta semana com os alunos de 7as séries, na Escola Básica Mansueto Trés, seminários sobre nossos músicos brasileiros. A meninada teve a oportunidade de ter acesso à história e obras de músicos, entre compositores e intérpretes, como: Tom Zé, Chico Buarque, Marisa Monte, Chico Sciense, Luiz Gonzada, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Raul Seixas, Milton Nascimento, Sérgio Reis, Os Mutantes, Secos e Molhados, Engenheiros do Hawaii, Elis Regina e Carmen Miranda. Para muitos, esses artistas eram novidades. E alguns até gostaram do que ouviram, mesmo sendo tão diferente do que se é tocado hoje em dia nas rádios que eles escutam e em seus mp3. Reclamamos muito que as músicas que a juventude ouve, atualmente, são muito “bagaceiras”, apelativas ou não dizem nada com nada. Mas como se amar o que não se conhece? Por que não apresentá-los outras opções, ainda mais conhecendo um pouco sobre a importância não só artística, mas social e política desses músicos? Foi isso que resolvi fazer esta semana, deixando a análise sintática de lado. É importante deixar claro que eles tiveram um mês para se prepararem, inclusive, uma aula toda no laboratório de informática.
Com as 8as séries, o método de preparo foi o mesmo. Então, as orações subordinadas adverbiais ficaram de lado, para que eles conhecessem um pouco sobre as vidas e obras de escritores em Língua Portuguesa, como: Fernando Pessoa, José Saramago, Cora Coralina, Mário Quintana, Mario de Andrade, Vinícius de Moraes, Monteiro Lobato, Clarice Lispector, Drummond, Jorge Amado, Luis Fernando Veríssimo, Erico Veríssimo, Cecília Meireles, João Ubaldo Ribeiro e a catarinense Urda Klueger. Além de conhecerem um pouco mais sobre esses escritores, essa atividade acabou preparando-os para o próximo ano, já que eles começarão a entrar nas escolas literárias.
Viva a boa música! Viva a boa literatura!






mais um pouquinho





sábado, 14 de agosto de 2010

mais uma


e a Ana entregando o Jornal do São Viça ao Elton

e mais um pouquinho


Jaque e Vilson


entregando o Jornal do São Viça ao Arthur


Jéssica e Felipe


Eu e Lucas


Professora Ana e Aline

um pouquinho mais do lançamento do Jornal do São Viça


Aracelli e Bina


Eu e Duda


Jaque e Fran


Jéssica e Taís


Ana e Vitória